miilay

" Dai-me, Senhor, a perseverança das ondas do mar, que fazem de cada recuo um ponto de partida, para um novo avanço"Gabriela Mistral, poetisa

Quarta-feira, 31 de Março de 2010

DESEJOS VÃOS

Eu queria ser o Mar de altivo porte

Que ri e canta, a vastidão imensa!

Eu queria ser Pedra que não pensa,

A pedra do caminho, rude e forte!

 

Eu queria ser Sol, a luz intensa,

O bem do que é humilde e não tem sorte!

Eu queria ser árvore tosca e densa

Que ri do mundo vão e até da morte!

 

Mas o Mar também chora de tristeza...

As árvores também como quem reza,

Abrem, aos Céus, os braços, como um crente!

 

E o Sol altivo e forte, ao fim de um dia,

Tem lágrimas de sangue na agonia!

E as Pedras...essas... pisa-as toda a gente!...

 

FLORBELA ESPANCA 

publicado por miilay às 15:03
tags:

A PÁSCOA NA MINHA TERRA -2

A Páscoa na minha terra-2

 

Para além do domingo de Páscoa, na minha terra, a segunda-feira, é um dia com muita tradição.

 

Desde que há memória" Saltar o rego" constitui a parte profana, popular, no tempo sagrado da Páscoa.

Neste dia, à tarde o largo principal da freguesia, de Loureiro é pequeno para acolher os visitantes, que vêm ver as corridas de cavalos.

Numa das ruas, que envolvem o largo, é definido um ponto de partida e a meta.

Então os cavaleiros inscritos correm de um ponto ao outro e ganha o que fizer o melhor tempo.

São centenas e centenas de pessoas que ladeiam esta rua, para verem estas corridas.

Faça chuva ou faça sol, as pessoas não desistem, pois gostam imenso de ver estas participações equestres.

Todo o largo envolvente, está recheado de vendedores, de vários artigos, é uma autêntica feira, onde não faltam os petiscos, e os carrinhos eléctricos.

Também há o concerto da Banda de Música no coreto.É uma participação de excelente qualidade.

É uma Banda com existência secular.

É um orgulho ver, que no presente, a maioria dos músicos, que a compõem são jovens, o que nos dá a esperança que irá continuar a deliciar os seus apreciadores, por muitos e muitos anos.

Mas o "Saltar o rego" nem sempre foi assim e como surgiu esta tradição?

Voltemos aos "Guardadores de memórias", os mais antigos do lugar que transmitem o que sabem:"

Já o meu avô ouvia do dele que Segunda -feira da Páscoa havia uma grande feira no largo.

Nessa feira vendia-se de tudo, desde animais domésticos a alfaias agrícolas.

A  atravessar o largo havia um rego de água, que servia para regadio dos campos. Antigamente na região eram criados

e vendidos muitos cavalos e burros . Então os vendedores que apareciam na feira, para mostrar se os animais eram bons, galopavam e obrigavam os cavalos a saltar o rego de água.Assim via-se se eles tinham força nas pernas.

As pessoas gostavam de ver; aplaudiam e os compradores faziam as suas escolhas"(Joaquim Coelho)

Hoje como já referi corre-se pela vitória, já não se salta para mostrar equídeos.

E aqui deixo mais uma tradição da minha terra--uma freguesia do Concelho de Oliveira de Azeméis, LOUREIRO

 

 

publicado por miilay às 11:02

mais sobre mim

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
27
28
29

pesquisar

 

comentários recentes

  • boa tarde, sabe dizer-me qual é o outro nome pelo ...
  • Olá miilay
  • parecem as bocas de cães pequeninos, dizíamos nós ...
  • ..e perfume intenso.
  • belas :)
  • Se é para mim recebo-a com muito carinho e amizade...
  • Verdade.Já tenho saudades da ria.Um destes dias......
  • E era bem gira.Olá Miilay feliz 2017.Faz tempo que...
  • Obrigada,Feliz Ano para si e cuidado com o frio,aí...
  • Manu, estou bem, e a fazer os possíveis para não f...

mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

subscrever feeds